Apresentação do Programa

O Estado da Bahia apresenta um dos quadros geológicos mais interessantes e diversificados do Brasil. Praticamente todo o Estado está contido no Cráton do São Francisco e suas faixas de dobramentos marginais. O Cráton do São Francisco é uma importante unidade geotectônica e metalogenética, que se constitui no maior segmento de crosta continental da América do Sul. Esta unidade geotectônica é responsável por cerca de 25% da produção mineral do País. O Cráton do São Francisco permite assim o estudo (i) de terrenos metamórficos de alto, médio e baixo graus; (ii) do papel da atividade magmática (vulcânica-plutônica) no acrescimento crustal; (iii) das coberturas sedimentares que constituem uma memória de episódios compressionais que afetaram este bloco crustal; (iv) dos processos colisionais ocorridos durante o Neoproterozóico nas suas faixas marginais e (v) dos processos metalogenéticos associados aos fenômenos geodinâmicos mencionados acima.
 
De outro lado, o Estado da Bahia possui a linha de costa mais extensa do País, com a zona costeira apresentando uma grande variedade de ecossistemas e ambientes de sedimentação, incluindo aí (i) os mais importantes edifícios coralinos do Atlântico Sul; (ii) estuários e baias; (iii) planícies de cordões litorâneos; (iv) manguezais e, (v) dunas, que possuem uma história evolutiva complexa, modulada pelas variações climáticas e do nível relativo do mar durante o Quaternário.
 
O Estado da Bahia necessita inventariar e explorar os recursos minerais, energéticos e outros recursos naturais renováveis e não-renováveis presentes na importante unidade geotectônica que é o Cráton do São Francisco, além da sua zona costeira.
 
Diante do acima exposto, decidiu-se pela criação do Curso de Pós-Graduação em Geologia no ano de 1976, em princípio a nível de mestrado, com áreas de concentração em Geologia Econômica e Sedimentologia. Diante dos bons frutos colhidos, decidiu-se pela implantação do nível de Doutorado já em 1992, sendo mantidas as mesmas áreas de concentração. A partir de 2004, com uma significativa reformulação na estrutura curricular do Curso, foram implementadas três áreas de concentração, assim definidas: Geologia Marinha, Costeira e Sedimentar, Petrologia, Metalogênese e Exploração Mineral e Geologia Ambiental, Hidrogeologia e Recursos Hídricos. Com tais mudanças, espera-se adequar o Curso de Pós-Graduação em Geologia às demandas atuais da sociedade, tendo por objetivo formar especialistas e realizar pesquisas que promovam a busca e a utilização dos recursos naturais do Estado, podendo, ao mesmo tempo, melhor desenvolver suas ações no âmbito da cultura científica visando permitir soluções para os críticos conflitos ambientais envolvendo a utilização desses recursos.
 
Ressalte-se que ao longo de sua existência, um significativo número de especialistas foi diplomado, envolvendo técnicos de instituições privadas e estatais, docentes de outras e da própria instituição, além de alunos recém-graduados da UFBA e de outras universidades do País.